aqui mora a poesia...

aqui mora a poesia...

SUBLIME ENCONTRO


Se procuras o Cristo Soberano, 
Por excelso refúgio às próprias dores. 
Busca, hoje e amanhã, por onde fores, 
O torturado coração humano. 
Desce ao vale dos grandes amargores, 
Onde revelam sofrimento insano 
A aflição, a miséria e o desengano, 
Entre flagelos purificadores 
Desce à feição do sol na noite fria, 
Guardando a caridade por teu guia, 
Ajudando e servindo a cada hora... 
E, ante a luz da Divina Primavera, 
Encontrarás o Cristo que te espera, 
Crucificado em cada ser que chora. 

Auta de Souza