aqui mora a poesia...

aqui mora a poesia...

RENASCENÇA DA ALMA

Lembro-te, Soberano, as incursões bizarras... 
Ordenas invasões... Feres, vences, dominas!... 
Deixas a estrada em fogo, os castelos em ruínas, 
Agonia e pavor nas terras onde esbarras!... 

Tudo a morte levou... Os troféus e algazarras, 
As armas, os brasões e as tropas libertinas... 
E encontrei-te, hoje, oh rei!... Clamas e desatinas, Reencarnado no hospício a que, louco, te agarras... 

Dói ver-te inerme, assim, lívido e descomposto 
Na laje celular por trono de recosto!... 
Mas louva as provações, ditoso por sofrê-las!... 

Findo o resgate justo, um dia, tempo afora, 
Terás de novo um reino e os amigos de outrora, 
Nos impérios do amor, para além das estrelas!...

Epiphanio Leite