aqui mora a poesia...

aqui mora a poesia...

REENCARNAÇÃO


Reencarnação é façanha
Em que a vida se acabrunha. 
A carne nos pega à unha, 
Na treva em que se emaranha. 
E surge esta coisa estranha: 
Cada qual é testemunha 
Do passado que se empenha 
Do presente que se apanha. 
Feliz de quem se componha 
Na estrada clara e risonha 
Do bem que a salvar se empenha. 
Alma que ao corpo se aninha 
Serve, segue e vai na linha 
Ou recua e leva lenha. 

Alfredo Nora