aqui mora a poesia...

aqui mora a poesia...

PANORAMA DO UMBRAL

                                                                                                   
A ganir e gritar, a turba rusga e rola... 
Trasgos em trismo atroz, no brejo imenso e imundo,  
Arrastam-se revéis, rebolcam-se no fundo... 
Duendes e danações em gigante gaiola. 

Ontem, homens ao sol, verbo egrégio e infecundo, 
O crime disfarçado em máscaras de escola; 
Hoje, feras no charco, a malta desconsola... 
Espíritos da sombra, a sucata do mundo! 

No chão, perante o céu iridescente e pando, 

Aprofunda-se o caos, ao sinistro comando
De sinistras legiões, desde sendas longevas!... 

Descerra a morte o abismo à alma culposa e tarda!... 

Ai de quem foge à luz e desce a retaguarda,
De coração rendição à hipnose das trevas!

Honório Armond