aqui mora a poesia...

aqui mora a poesia...

NO ÚLTIMO DIA

                                                                                                  
Horas de angústia e lágrimas transponho... 
Chegara, em desespero, o fim do dia. 
Caminhando, ao meu lado, a Fantasia 
Gritava para mim, no último sonho :

- «A Morte é o Nada e a Paz sem agonia,!... 
E escutando-a, cansado, os olhos ponho 
Além do mundo, no cairel medonho 
De horrendo caos, buscando a noite fria... 

Era o anelado fim... Súplice avanço 
E rogo à Morte a bênção do descanso, 
Descendo, em pranto, às trevas abismais. 

Mas em lugar das regiões serenas, 
Sob nova tortura, encontro apenas 
O abutre do remorso e nada mais...

Antero de Quental