aqui mora a poesia...

aqui mora a poesia...

NÃO FUJAS


Se a torva prova te bate à porta, 
Impelindo-te à angustia estranha e intensa, 
Que a tormenta de pranto te não vença 
Inda mesmo a esperança quase morta. 

Esquece o lodo, a lama, o espinho, a ofensa... 
O sofrimento é a lúcida retorta 
De fel que nos redime e nos exorta 
A esperar pela Vida eterna e imensa. 

De coração cansado e fronte erguida, 
Sofre de alma gemente e consumida, 
Sem fugir à aflição da dor que é tua!... 

Dever negado é divida crescente, 
O desertor padece amargamente 
E, além da morte, a vida continua...

Arnaldo Souza