aqui mora a poesia...

aqui mora a poesia...

Na Rua do Sabão


Cai cai balão 
Cai cai balão 
Na Rua do Sabão! 
O que custou arranjar 
aquele balãozinho de papel! 
Quem fez foi o filho da lavadeira. 
Um que trabalha na composição 
do jornal e tosse muito. 
Comprou o papel de seda, 
cortou-o com amor, 
compôs os gomos oblongos... 
Depois ajustou o morrão de pez 
ao bocal de arame. 
Ei-lo agora que sobe, 
– pequena coisa tocante na escuridão do céu. 
Levou tempo para criar fôlego. 
Bambeava, tremia todo e mudava de cor. 
A molecada da Rua do Sabão 
Gritava com maldade: 
Cai cai balão! 
Subitamente, porém, entesou, 
enfunou-se e arrancou das mãos que o tenteavam. 
E foi subindo... para longe... 
serenamente... 
Como se o enchesse o soprinho tísico do José. 
Cai cai balão! 
A molecada salteou-o com atiradeiras 
assobios apupos pedradas. 
Cai cai balão! 
Um senhor advertiu que os balões são proibidos pelas posturas municipais. 
Ele, foi subindo... 
muito serenamente... 
para muito longe... 
Não caiu na Rua do Sabão. 
Caiu muito longe... 
Caiu no mar, – nas águas puras do mar alto.