aqui mora a poesia...

aqui mora a poesia...

GLÓRIA AO BEM


Embora a angústia que te rasga o peito, 
Lacerando-te o ser, exausto e aflito, 
Chagado crente de celeste rito, 
Vive o culto do Amor, puro e perfeito. 
Atormentado, exânime, proscrito, 
Sob as flagelações do trilho estreito, 
Ergue a flama sublime do Direito, 
Alçado a fronte à glória do Infinito!... 
Sacrifica-te e sofre, mas não temas. 
Vence a aflição das últimas algemas, 
Rompendo a ganga dos terrestres lastros! 
E, ave fugindo aos cárceres medonhos, 
Remontarás, além dos próprios sonhos, 
No roteiro mirífico dos astros. 

Cruz e Souza