aqui mora a poesia...

aqui mora a poesia...

ESPERA AINDA


Estende-se, lá fora, a noite fria... 
Cai o forte aguaceiro em triste acento. 
E enquanto o temporal ruge, violento, 
Há soluços de dor na ventania... 

Sofrem ninhos que a treva horrenda espia, 
Correm detritos pelo chão barrento... 
Nuvens bramindo estranho sofrimento 
Vertem raios de angústia e de agonia. 

Mas, enquanto lá fora a tempestade 
Gera, ululando, o medo que te invade, 
Ora, confia, crê e espera ainda!... 

Amanhã, belo e claro, o sol ridente 
Fulgirá no teu campo, novamente, 
E a luz celeste brilhará mais linda. 

ValladoRosas