aqui mora a poesia...

aqui mora a poesia...

EM LOUVOR DA ESPERANÇA


Escuta, coração: 
Quando a mágoa te aflija 
E a incompreensão 
Te açoita, implacável e rija 
Jamais te dês aos gritos 
Da exaustão... 
Revolta é furacão a sacudir 
O campo, o ninho, a escola, 
o templo, a casa, 
E tudo danifica ou tudo arrasa 
Quando vem a surgir... 
Quando o pranto amarfanhe os teus olhos, 
Não mostres tuas lágrimas benditas, 
Aprende a recolher no campo 
em que transitas 
Os ensinos de Deus!... 
Tudo na Terra é santa aspiração... 
Serenamente a planta aguarda o fruto amigo 
E o próprio fruto anseia estar contigo 
Para a vitória humilde de ser pão. 
Nasce a fonte cantando, a borbulhar... 
De início é um fio pobre de água mansa, 
Mas, porque espera, 
Serve e não descansa, 
Desce ao bojo do rio e acha a gloria do mar!... 
O charco espera a mão do lavrador 
E, um dia, plasma em lama, lodo e estrume, 
Um jarro gigantesco de perfume 
A enfeitar-se de flor!... 
Nota que a porcelana aprimorada 
Foi barro que aceitou a disciplina... 
A pérola mais fina 
Veio na dor da ostra torturada!... 
O violino que atende e se consome 
Por dar à melodia apoio e desempenho 
Não passava de um lenho 
Na floresta sem nome!... 
Detém-se coração, pensando nisso: 
No mundo o que há de belo, grande e santo 
É persistência e esforço, canto a canto, 
Da esperança em serviço!... 
Empenha-te a servir, 
Aprender, construir, tolerar, 
Em tudo é sempre o Amor 
Puro e Perfeito 
Porque nunca se cansa de esperar!...

Maria Dolores