aqui mora a poesia...

aqui mora a poesia...

DESOBSESSÃO


O Espírito sem paz chora, clama, esbraveja, 
Escarnece, injuria, agita-se, esconjura... 
Fala o doutrinador com lógica e brandura, 
Entram a sombra e a luz em súbita peleja... 

Mais um dia... Outro mais... E aquele que apedreja, Mergulhado no fel de estranha desventura, 
Cede à força do amor em lágrimas procura 
Levantar-se por fim da treva em que rasteja!... 

Um coração de mãe é convidado a liça... 
Surge a reencarnação, promove-se a justiça... 
Um berço... Um corpo novo... As correções austeras! 

E a desobsessão, em sentido profundo, 
Continua no lar, entre a escola do mundo 
E a dor que nos redime os erros de outras eras!...

Leôncio Correa