aqui mora a poesia...

aqui mora a poesia...

CAUSA E EFEITO


"Bate!..." - ordena o senhor, em subido mirante, 
Ao capataz que espanca o escravo fugitivo 
"Bate mais!... Bate mais!..." e o mísero cativo  
Estorcega-se e geme ao látego triunfante. 
Esse vai, outro vem... A mesma voz troante 
Ao rebenque feroz... O mesmo olhar altivo!... 
Cada servo a tombar, padeça, morto vivo, 
Cada corpo a cair nunca mais se levante!... 
Morre o senhor, um dia... E, Espírito culpado, 
Em pranto, roga a Deus lhe corrija o passado... 
Renasce e serve ao bem, atormentado embora!... 
Hoje, em leito fidalgo, a dor lhe impede a fala, 
Sente no peito em fogo o relho da senzala 
E estorcega-se e geme ao câncer que o devora!...

Silva Ramos