aqui mora a poesia...

aqui mora a poesia...

CARIDADE


Onde a lágrima aparece; 
É balsamo, luz e prece,
Sobre as chagas da aflição...
É o anjo que acorda cedo 
E abraça a Terra sombria, 
Estendendo a melodia 
Que nasce do coração. 
Aqui, é a benção da escola 
Que fulge, expulsando a treva, 
Na doce voz que se eleva, 
Para ajudar e instruir. 
Ali, é o pão que consola 
Os filhos da desventura, 
Além, é a fé clara e pura, 
Que acena ao sol do porvir. 
Agora, é a gota de leite, 
Nos lábios da criancinha, 
Que, esfarrapada, caminha, 
Sem a carícia do lar... 
Depois, é o sublime enfeite 
Da palavra humilde e boa, 
Da esperança que abençoa 
A glória de renovar. 
Nutre, socorre, agasalha, 
Ampara, educa, ilumina... 
É como estrela divina, 
Que não se nega a ninguém. 
Sabe fazer da migalha, 
Que Nosso Senhor lhe envia, 
O milagre da alegria, 
Que espalha o calor do bem. 
A desfazer-se em carinho, 
Sustenta, acalma, levanta, 
Por mão generosa e santa, 
Que vence a miséria e o mal; 
Onde ela passa, o caminho, 
Inda mesmo em sombra e prova, 
É sempre alvorada nova, 
Em brilho celestial. 
De onde vem? Quem sabe ao certo?
Isso é vã curiosidade. 
É somente Caridade, 
A irmã da Divina Luz. 
Mas quem a busque de perto, 
Sem azedume ou cansaço, 
E, em tudo, lhe siga o passo 
Alcança o amor de Jesus. 

Irene S. Pinto