aqui mora a poesia...

aqui mora a poesia...

CANTIGA DA ESPERANÇA


Alma querida, 
Por mais que o mundo 
te atormente 
A fé simples e boa, 
Por mais te lance gelo 
na alma crente, 
Na sombra que atraiçoa, 
Alma sincera, 
Escuta!... 
Sofre, tolera, aprende, aperfeiçoa, 
porque de esfera a esfera, 
Ninguém consegue a palma da vitória, 
Sem apoio na luta. 
Espera, que a esperança 
é a luz do mundo 
- Oculta maravilha - 
Que, em toda a parte, se revela e brilha 
Para a glória do amor. 
A noite espera o dia, a flor o fruto, 
O espinho a rosa, o mármore o buril, 
O próprio solo bruto 
Espera o lavrador 
Armado de atenção, arado e zelo... 
O verme espera o sol para aquecê-lo. 
A fonte amiga que se desentranha 
Do coração de pedra da montanha, 
Enquanto serve, passa e se incorpora 
Aos encargos do rio que a devora, 
E espera descansar, 
Quando chegue escondida 
A paz da grande vida 
Que há no seio do mar. 
Seja o que for 
Que venhas a sofrer, 
Abraça o lema regenerador 
Do perdão por dever. 
Leva pacientemente 
o fardo que te leva, 
Entre o rugir do vento 
e o praguejar da treva... 
Abençoa em caminho 
Os açoites da angustias 
em torvo redemoinho; 
Onde não passas, coração 
E segue sem parar, 
Amando, restaurando, redimindo... 
Edificando, em suma, 
Não te revoltes contra coisa alguma!... 
Ao vir a tarde mansa, 
Na doce quietação crepuscular, 
Quando a graça do corpo tomba e finda, 
Verás como foi alta, nobre e linda 
A ventura de esperar. 
E, enquanto a noite avança 
Para dar-te as visões de uma alvorada nova, 
Nas asas da esperança, 
Bendirás a amargura, a dor e a prova, 
Agradecendo a Terra a bênção de entendê-las. 
Subiras, subiras 
Para o ninho da luz nas estâncias da paz, 
Que te aguarda, tecido em radiações de estrelas!...  
Então, compreenderas 
Que, além do mais Além 
- No Coração da Altura - 
Deus trabalha, Deus sonha, Deus procura, 
Deus espera também!...

Maria  Dolores